quarta-feira, 29 de junho de 2011

Conto de Urvasi e Pururavas

Urvasi era muito linda, e encantadora; o rei tinha um profundo amor por ela. Da mesma maneira, a Apsara caiu de amor pelo rei, por ele ser o homem mais bravo e formoso do reino.
Certa feita Pururavas disse para Urvasi: “Leal donzela, eu a amo do fundo do meu coração, eu te imploro para me dares amor em retorno”. Urvasi enrubesceu, e olhou docemente para baixo em sinal de modéstia. Ela confessou que estava muito apaixonada pelo rei. Então ela prometeu casar-se com ele, se ele observasse duas condições. “Quais são estas condições?”, Perguntou ou rei Pururavas. “A primeira”, disse Urvasi, “meus carneiros deverão ficar comigo. Eu possuo dois deles, e os amo como se eles fossem meus próprios filhos. Eles deverão estar sempre proxio de mim, tanto de dia como de noite”.
O rei concordou com esta condição. “Minha segunda condição”, disse Urvasi, “é que nós devemos sempre nos despedir na escuridão da noite. Se eu vir você sem suas roupas do dia, o infortúnio irá seguir-se certamente”.
O rei concordou com esta segunda condição também . então o rei e a Aspsara casaram-se, e viveram juntos em grande felicidade. quanto mais um conhecia o outro mais queridos se tornavam uns dos outros. nesta felicidade maravilhosa, Urvasi esqueceu-se que não era uma mortal. Ela não tinha vontade de retornar aos céus, porque estava muito feliz vivendo uma vida na Terra.
Mas outras Apsaras e os cantores (Gandharvas) da corte de Indra sentiram a falta de Urvasi. Eles estavam entediados pela falta dela na corte do semideus Indra. Eles tinham conhecimento do acordo entre Urvasi e o rei Pururavas. Então eles elaboraram um plano para que o rei quebrasse o acordo, então Urvasi retornaria para os céus, e tomaria seu lugar na corte de Indra.
Eles enviaram, então, Viswavasu para levar o plano deles adiante. Ele chegou de noite no quarto de Pururavas e Urvasi, de forma secreta, e furtou um dos carneiros. Tão logo o Gandharva pegou o carneiro, ele baliu, e isso despertou Urvasi. “Quem está furtando meu filho?”, ela chorou, despertando. “Onde está meu marido; será que ele permitirá que meu carneiro seja furtado?”;
O rei ouviu os apelos de Urvasi chorando, mas não ousou sair de sua poltrona e perseguir o ladrão. Se Urvasi o visse, algum infortúnio deveria ocorrer por sobre ele. Mas a noite estava muito escura. Ele pensou, “Como ela poderá me ver”; “Não há nenhum vislumbre de luz”. Então o Gandharva furtou o segundo carneiro, e ele baliu alto pedindo ajuda. Então Urvasi gritou: “Que utilidade tem um marido para mim? Ele não me ajuda a quando meus carneiros estão sendo furtados!”
Então Pururavas pulou da sua poltrona, e pegou a sua espada, a começou a lutar com o ladrão, pedindo para ele parar, gritando em voz alta. Naquele momento, o Gandharva causou um flash rápido dentro do quarto, e tudo pareceu claro. Urvasi estava olhando na direção do rei, e ela o viu com suas roupas noturnas. O acordo havia sido quebrado, então Urvasi desapareceu.

O Gandharva largou os carneiros, mas estes também sumiram. Pururavas ficou sozinho no seu quarto, e a poltrona onde estava a sua esposa estava vazia.
O rei ficou muito infeliz. Onde teria ido Urvasi? Ele então deixou o seu palácio e vagueou pela face da Terra a procura de Urvasi. Ele estava sempre infeliz com a perda de Urvasi.
Nas suas caminhadas, o rei chegou em Kurukshetra, e então viu Urvasi. Ela estava brincando com outras Apsaras celestes no lago, maravilhosamente linda com lótus. Ele correu para ela chorando, “Urvasi, minha esposa, volte para este triste marido, retorne para Pururavas!”. Então Urvasi disse para o rei, “Não se aborreça mais, ó magnifico rei. Volte daqui a um ano, e eu irei dar a você um filho”.
No prazo estabelecido, o rei retornou a Kurukshetra, e novamente encontrou-se com Urvasi. Ela deu a ele o primeiro filho, cujo nome era Ayus. Então ela banhou o filho e pediu para que o rei voltasse dali a um ano, outra vez.
No final do segundo ano, Pururavas novamente se encontoru com Urvasi em Kurukshetra, e Urvasi deu a luz mais um filho para o rei. Banhou a criança, entregou para o rei, e disse que ele voltasse no ano seguinte.
Ano após ano, por cinco anos, o rei foi até Urvasi, e cada vez que a via ela lhe dava um filho. Ele jamais deixou de amá-la, e sempre tinha a esperança de que um dia ela voltaria para ela.
Quando Pururavas viu Urvasi pela quinta vez, ela disse-lhe: “Os Gandharvas estão agradados por você, Pururavas. Eles desejam conceder-lhe uma bençao. Diga o que você deseja”.
O rei, então, respondeu. “Meus inimigos estao destruidos; eu tenho amigos, exércitos e riquezas. Há apenas uma coisa que eu não posso obter, é você minha Urvasi. Meu pedido, de bênção, é para permitir que eu viva na mesma região que você, minha amada!”.
Tão logo o rei disse seu desejo, os Gandharvas rodearam-no. Eles trouxeram um vaso de foto e disseram: “Pegue este fogo, e, de acordo com as instruções dos Vedas, divida-o em três partes. Então mantenha o desejo de estar com Urvasi. Faça a oferenda para os Deuses, e você irá alcançar o que deseja”.
O rei pegou o vaso de foto, e partiu com ele. ele foi até a floresta, e então começou a pensar: “Como eu sou tolo! Eu peguei este vaso de fogo com os Gandharvas. Por que eu não peguei Urvasi?” Ele colocou o vaso de fogo no chão e foi para o seu palácio.
No meio da noite ele despertou, e pensou: “Como eu fui tolo, deixando o vaso de fogo na floresta” Depois de tudo, eu recebi um presente dos Gandharvas, que me queriam bem. Eu voltarei até lá, e trarei o fogo para a casa”.
Então ele ergueu-se rapidamente da sua poltrona, e voltou à floresta a procura do caso. Quando ele chegou no local, ela não pode encontra-lo. Ele tinha sumido. Onde havia deixado o vaso estava uma jovem árvore Aswattha, que tinha crescido junto com uma planta Sami. Assim que ele viu as duas plantas jutas, ele pensou: “Eu irei produzir fogo novamente, esfregando estas duas plantas. Então eu irei adorar o fogo”. Pegou as duas plantas e retornou para o seu palácio.
Ele recitou as silabas dos versos sagrados, e cortou as plantas em forma de lenha, uma polegada para cada silaba dos Mantras. Então ele esfregou as varinhas juntas, tão logo pegaram fogo, surgiu uma fumaça, e logo veio a chama. Tendo feito o fogo, ele dividiu em três partes, e fez as oferendas para os deuses, e fixou a sua mente em reunir-se com Urvasi. Pururavas realizou o sacrifício e alcançou o lugar entre os Gandharvas. E também encontrou Urvasi entre eles. Desde então, Pururavas ficou sempre com Urvasi, sem temer qualquer infortúnio, sendo perfeitamente feliz. Nunca mais Pururavas e Urvasi separaram-se de novo.

Urvasi e Pururavas
Certa feita existiu um rei que se chamava Pururavas. Ele era um rei muito virtuoso, e era muito bem conhecido por sua bondade e generosidade. Ele era, também, muito gracioso e muito respeitado por seu amor e bondade. Uma vez o rei encontrou uma Aspara no céu, chamada de Urvasi. Mitra e Varuna estavam desagradas com Urvasi, então ela deixou os céus, e desceu a Terra para morar como rei Pururavas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário