quarta-feira, 29 de junho de 2011

Noiva para um homem morto / Conto

SWAMI KRISHNAPRIYANANDA SARASWATI
SOCIEDADE INTERNACIONAL GITA DO BRASIL
SANATANA DHARMA BRASIL
1997-2006© Direitos Autorais reservados
GITA ASHRAMA




Certa vez existia uma cidade chamada Atpat, onde vivia um Brahmana. Ele tinha sete filhas, e quando elas alcançaram a idade de casamento, ele disse que traria maridos para elas, e trazer a fortuna deles. A seis filhas mais velhas disseram, “Papa, papa, certamente. O senhor arranja nossos casamentos e nos traga maridos bem afeiçoados e com fortuna para nós”.
Mas a filha mais velha era desobediente. Tinha um temperamento desligado de tudo; firmou o seu pé, virando para o seu pai e disse, “Eu irei arranjar meu próprio marido, e irei tê-lo para mim, e farei fortuna para mim mesma”. Então o Brahmana ficou muito irado com ela, e pensou como iria puni-la. Então ele procurou e encontrou seis jovens ricos e bem afeiçoados, e com elas casou a suas seis filhas mais velhas com grande pompa.
Mas para a filha mais velha ele deu um mendigo como marido. Nunca se viu um homem tão pobre. Não havia um local na sua pele que não estivesse manchada pela lepra, e seus pés e mãos estavam apodrecidos. Todos quando o viam diziam, “Se este mendigo não morrer hoje, com certeza irá morrer amanhã”. Quando o casamento foi celebrado, a mãe na moça encheu a sua capa com trigo, e então lhe entregou o mendigo para ver o tipo de fortuna que teria.
Mas em poucos dias o mendigo morreu. Seu cadáver foi levado para o local onde os corpos são cremados, e a jovem viúva segui-o. Mas quando seus pais queriam queimar o corpo, ela os proibiu, e disse para que se fossem. Então ela disse “Minha fortuna virá, seja do modo que for”. Todos a rodearam e tentaram persuadi-la de que não havia nenhuma utilidade em ficar com o cadáver, mas ela não prestava atenção no que eles diziam. Por fim, eles se retiraram e foram para casa, deixando-a no local de cremação. Quando todos se foram, ela tocou o cadáver com seu manto, orando para o Senhor Siva dizendo: “Meus pais me renegam. Ó, por que eu nasci como órfão é viúva, para viver toda a miséria?”
Enquanto ela orava, ela colocou o trigo que havia recebido de sua mãe, grão por grão, na boca do cadáver. Ficou chorando até a meia noite. Aconteceu que naquela noite Siva e Parvati estavam cruzando os céus naquele lugar. Parvati disse para Siva, “Eu ouvi uma mulher chorando, vamos ver o que se trata”.
O Senhor Siva dirigiu a carruagem para baixo. Então viram a jovem viúva, filha do Brahmana, chorando. Perguntaram qual era a razão, e ela respondeu para eles o que acontecera. Compadecida, Parvati disse, “Sua tia alcançou grande mérito por sua piedade e devoção. Vá até ela e peça para que lhe dê todos os seus méritos, então isso irá trazer a vida do seu marido de volta”. Siva e Parvati, então, montaram na Sua carruagem e desapareceram.
Na manhã seguinte, a jovem viúva deixou o corpo do seu marido, e foi até a casa de sua tia pedir pelo que Parvati havia orientado. A tia a recebeu muito bem, e deu para ela tudo o que tinha adquirido de bom mérito. A viúva retornou para o local funerário, onde havia deixado o corpo do seu marido morto, e então o marido voltou à vida. Mas desta vez seu corpo não estava enegrecido pela lepra como antes mendigo, com mês e mãos apodrecidos. Mas retornou como um belo jovem bem afeiçoado, com uma lida pele. Então a ex-viúva retornou com seu marido para casa dos seus pais.
“ Papa, Papa”, ela disse, “Me destes as costas, mas os deuses me trouxeram de volta, e a boa fortuna veio para mim sem que me a trouxesses”. O pai da jovem ficara amedrontado demais com Parvati para poder dizer qualquer coisa, então ficou quieto. E a jovem moça e seu marido, antes um homem mendigo e doente, viveram felizes até o fim de suas vidas

Nenhum comentário:

Postar um comentário